Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Bate-papo no PAF 3 da UFBA (Ondina, Salvador) - 13 de julho de 2017

Postagens populares

Visualizações de páginas da semana passada

Google+ Badge

Translate

28 de fev de 2015

Summary Execution: A Recent Episode of Police Violence Against Young, Black Males in Bahia, Brazil


Contributor: 
reaja-full
Photo credit: Morgana Damásio. In protest in 2014 against the genocide of the Black population in the city of Salvador, Bahia promoted by the courageous and fearless campaign REAJA OU SERÁ MORT@! (REACT OR YOU WILL DIE!)
On February 6, 2015, the police of the Brazilian state of Bahia executed twelve Black boys and men with gunshots to the neck in the Vila Moises area of the Cabula neighborhood in the city of Salvador. There were signs of torture, such as broken arms and sunken eyes, violent treatment that could have equally been the work of the police of São Paulo, Alagoas, Rio de Janeiro, or Pernambuco. These are law enforcement practices disseminated throughout the country. The youngest victim was fifteen years old. The oldest was twenty-seven.
A massacre isn’t simply an isolated anomaly, and it shouldn’t be seen as such. Massacres practiced by the police forces of Brazilian states[1] exemplify a complete failure of public safety policy and of our republican values, as well as a human rights violation.
Rather than the deaths themselves, the novelty of this massacre was the ensuing public discourse of the recently elected governor of Bahia, Rui Costa, who defended the killings. The police chief[2] went further on the morning after the massacre, inspired by the never ending police chronicles, deeming the massacre a successful police operation that killed preventatively. The chief of police defined the massacre as a goal of the police snipers who, rather than police alongside a community and meet its individual needs, decide to eliminate targets in seconds from a calculated distance. This illustrates the ways in which the police trivialize and disrespect the lives of people who pay taxes and the salaries of a police force that kills when it should be protecting them.
Terrified witnesses in Cabula stated that the twelve boys and men were unarmed, there were no signs of confrontation, and they were rounded up and beaten before being taken to a field surrounded by bushes and executed. Since the governor belongs to the left-wing party, there were those declaring nostalgia for the truculent times of Antônio Carlos Magalhães, the three-time governor of the state of Bahia, in what amounted to a cruel joke, as bad as those likening Governor Rui Costa with the retired Portuguese soccer player with whom he shares the same name.
Further fanning the flames, the governor responded ironically to a question posed at a February 6th press conference[3] about the possible scare that the violence perpetuated by the operation could cause to tourists from São Paulo, habitual visitors to Bahia’s carnival. In an attempt to be witty, he attacked the public safety record of the southern state by implying that São Paulo tourists are accustomed to violence since São Paulo has the highest rate of bank robberies in Brazil. Since it is known that the police executioners alleged that the twelve massacred boys and men were going to assault banks, it wouldn’t be frivolous to infer from the context that the twelve Black Bahians were killed (preemptively) to protect White São Paulo tourists. It is also widely known that White tourists from São Paulo flood Bahia’s carnival annually in search of the famed ‘exoticism’ of the Black Bahian woman. The racist intertextuality of government discourse is as macabre as the application of the death penalty for young Black males.
The Secretary of Public Safety of São Paulo, Alexandre de Morães, did not hesitate to respond. He in turn called the governor of Bahia “feeble and ignorant,” [4]in an exchange of informalities reminiscent of comic book dialogue. He revealed that the crime rate of Bahia is four times worse than that of São Paulo, and concluded that the statements of the northeastern representative disrespected the affection that Paulistas[5] have for Bahians and the importance of tourism to Bahia. Done—the geopolitical supremacy of São Paulo ended the conversation! Even the response, logically, of the modern football captain is no match for the Robocop captain of the metropolis that looks down upon Brazilian Northeasterners, revealing the country’s regional fractures.
And where are the twelve dead boys and men in this discussion? They disappeared in the volatile and folksy speech of the murderers who justify their act as a fight against crime.  And what about the families of the victims? No one listens to, supports, or compensates them. They are victims of the deadly artillery deployed in a dreadful game that’s been bought in advance, in which the loser is already declared before the referee’s coin toss. An isolated voice has a name, last name and an address; a lady, or a young brother or victim’s cousin who might be the next victim. The grandfather of one of the deceased, Natanael de Jesus Costa (age 17), screamed at the entrance to the hospital that his grandson simply went to deliver pizza to his girlfriend’s house, which was next to the field that later served as the stage on the night of the crime. The boy disappeared from home, only to reappear on the list of bodies to be recognized in the coroner’s office.
And what do the bulk of the population in poor and indigent neighborhoods do now? They repeat, like parrots, the discourse of the legitimization of death heard in the sensationalist bandit-hunting television programs. They believe that if they align with the strongest contingent, the owners of weapons, they will receive protection because they are the workers and the others are the outlaws. What a farce! No one – no one – is a citizen when there is impunity! And the taste of the victims’ blood will only reach the mouths and the eyes of the supporters of the massacre when the gunshots destroy the lives of the children raised by their families and their community—the people who have seen them grow and bring pizzas to their girlfriends, or who were overcome by substance abuse, or by overt pressure as well as the allure of drug trafficking. It’s always our dear boys who become dead bodies littering ground.
None of these twelve ‘preemptive’ deaths is justified, even if one of them had a criminal record. And they are certainly not a testament to the success of a police operation. An operation that purposefully results in twelve deaths is arbitrary and illegal. It is catastrophic. Policing should preserve life, not eliminate it to then be excused by explanatory technicalities.
The survival of young Black men throughout Brazil is at stake in the face of a racist construction of the preferred suspect. This is already inadmissible. More reckless still, is that the governor publicly legitimizes and defends the massacre as a kind of winning shot, all the while immortalizing police shootings in poor and unprotected neighborhoods that cannot, and should not, be transformed into gladiator stadiums, where the police practice shooting young, Black male targets in accordance with the wishes of the governor.


Additional Reading

FOOTNOTES
  1. It is important to note that the primary police force in Brazil operates at the state level and is called the Military Police. This classification was formalized during the beginning of the 20th century but models for the present day institution existed as early as the 19th century. The Military Police maintains an arbitrary power over the lives of Brazilian citizens, with a notorious record of authoritarian and violent practices, void of transparency and operating with complete impunity.  For more information, see here: http://english.nevusp.org/index.php?option=com_content&view=article&id=86:police-and-society&catid=32:publications-by-theme&Itemid=39
  2. In Brazil, the head of the state police force is chosen from within the ranks of the police force by the governor. In this case, the current governor of the state of Bahia, Rui Costa, is also the head of the state police force of Bahia.
  3. SSP-SP diz que declaração de Rui Costa sobre violência reflete “ignorância” e “grosseria” (Secretary of Public Safety of São Paulo says that Rui Costa’s statement about violence reflects “ignorance” and “rudeness”) accessed February 27, 2015 http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/ssp-sp-diz-que-declaracao-de-rui-costa-sobre-violencia-reflete-ignorancia-e-grosseria/?cHash=b36ebbbd53d583cf68c4cbe580b061d8
  4. Secretário de São Paulo diz que declarações de Rui são “débeis” e ignorantes (Secretary of Public Safety of São Paulo says that Rui’s statements are “feeble” and ignorant) http://www.bocaonews.com.br/noticias/principal/politica/106100,secretaria-de-sao-paulo-diz-que-declaracoes-de-rui-sao-debeis-e-ignorantes.html accessed February 23, 2015.
  5. Brazilians residing within the state of São Paulo.

ABOUT THE AUTHOR

Cidinha da Silva: Cidinha da Silva is a writer, essayist and dramaturge. She has eight published books and edited an anthology published in 2014 year titled Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil (Africanisms and race relations: inputs for public policy in the area of books, reading, literature and libraries in Brazil). Cidinha is a doctoral candidate in the Multi-institutional and Multidisciplinary program in the Diffusion of Knowledge at the Federal University of Bahia. Cidinha blogs at http://cidinhadasilva.blogspot.com.br/.
Translator: Ana Sofia de Brito

16 de fev de 2015

Mais sobre o livro Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil




Por Cidinha da Silva

O capítulo IV, sobre as dimensões de africanidades e relações raciais nas políticas públicas para a leitura no Brasil, desafiou autoras e autores a articular o combate ao racismo e a formação do leitor-literário, ou seja, a apresentar propostas de fortalecimento da luta política contra o racismo por meio de políticas públicas no campo da leitura, sem impor textos panfletários e pobres no campo da fabulação. Como nos alerta Teresa Colomer acerca do ensino literário na escola, [ele] “pode definir-se também como a ação de ensinar o que fazer para entender o que estão fazendo ali e o que se deve avaliar. Na sua intimidade, seus gostos, seu prazer ou sua liberdade de escolha. Nada disso pode ser, efetivamente, obrigatório” (COLOMER, 2007, p.45).

Mariana de Assis, além  de definir  literatura periférica para o tópico conceitos, escreve texto instigante sobre as questões relativas ao currículo, racismo e legislação na formação de leitores negros.
A poeta Dinha e o sociólogo Eduardo Mota refletem sobre as relações entre livro, literatura, identidade racial e programas governamentais de incentivo à leitura. Abordam mais detidamente as salas de leitura, sua estrutura e utilização em equipamentos públicos de educação e cultura.
Rubenilson de Araújo, diretamente dos rios caudalosos do Tocantins, problematiza a formação humanista de leitores de textos literários pela necessidade de inclusão das temáticas ligadas à diversidade sexual e racial em políticas públicas educacionais de leitura e no próprio uso do livro em sala de aula.
Euclides da Costa, educador e agente de segurança penitenciária no Presídio de Igarassu, em Recife, relata-nos sua experiência com a promoção da leitura em presídios e o papel desta no enfrentamento do “castelamento”  (no jargão penitenciário, mente vazia, desocupada, que pensa em coisas negativas)e na prevenção do aparecimento de doenças degenerativas, como a demência, provocada  pelo convívio em condições sub-humanas em espaço superlotado.
Marco Antonio Silva, reeducando privado de liberdade, também do Presídio de Igarassu, presenteia-nos com reflexão acurada sobre o papel dos livros e da literatura no sistema prisional em diálogo  com teóricos da envergadura de Erving Goffman, Michel Foucault, Gilles Deleuze, Felix Guattari e Virgínia Kastrup. 
A Mestra Janja, que além do ofício de capoeirista ocupa cadeira de professora da Universidade Federal da Bahia, dá vazão à veia poética no belo texto Versos que gingam, no qual faz contextualização sócio-histórica das cantigas da tradicional Capoeira Angola.
Renato Botão e Silvane Norte discutem consistentemente a identidade cultural e a educação como promotores do reconhecimento positivo de estudantes quilombolas, com ênfase no papel das instituições públicas na preservação das culturas baseadas na oralidade.  Em tela, a necessidade de apoio institucional para preservação da língua Cupópia, falada pelos moradores mais velhos da Comunidade Quilombola do Cafundó, no Estado de São Paulo.
O poeta Edimilson de Almeida Pereira encerra o capítulo com o texto O país que desejo ler para meus filhos e filhas, no qual discute os desafios apresentados a escritoras e escritores negros para produzir literatura dirigida a crianças e adolescentes.

12 de fev de 2015

Atividades de formação literária do dínamo Ricardo Aleixo, em BH



Abertas as inscrições para 
a primeira atividade de formação 
do LIRA em 2015:

ETC / ESPAÇO DO TEXTO CRIATIVO
O ETC é um laboratório de criação e pesquisa voltado para a capacitação de aspirantes à carreira literária e, também, de profissionais e estudantes de outras áreas interessados em conhecer técnicas de escrita que lhes permitam um melhor desempenho textual em suas respectivas atividades.
Ao longo de 4 encontros com duração de 3 horas, exercícios de escrita e reescrita de textos de diferentes gêneros – de autoria tanto dos próprios participantes quanto de autores fundamentais da poesia e da literatura brasileiras – alternam-se a conversas informais baseadas na leitura em voz alta de um significativo conjunto de textos teórico-críticos.
Sem prejuízo de seu envolvimento com as etapas de trabalho desenvolvido em grupo, cada participante receberá acompanhamento individual – durante os encontros presenciais e via email. Ao final, os textos escritos durante o processo serão reunidos num blog a ser criado especialmente para tal fim.
Instalado nas dependências do LIRA - Laboratório Interartes Ricardo Aleixo, no bairro Campo Alegre, região norte de Belo Horizonte, o ETC poderá, também, mediante negociação especial, ser realizado em ambientes como escolas, bibliotecas, livrarias, centros culturais, residências e empresas.
***********
Serão formadas três turmas de até 5 participantes cada.
Duração: 12 horas Emoticon smile (4 encontros).
Horários:
Quartas-feiras – das 15h às 18h. 
(Dias 1, 8, 22 e 29/4)

Sábados – das 10h às 13h e das15h às 18h.
(Dias 4, 11 e 25/4 e 2/5)

Obs.: Estas são as datas disponíveis para grupos. Sessões individuais já podem ser agendadas para o mês de março (favor consultar o valor no campo abaixo).
Valor do investimento:
R$600,00 (em 2 parcelas de R$300,00).
R$540,00 (à vista).

Obs.: O ETC também pode ser oferecido no formato de aula particular, ao custo de R$630,00 (preço à vista), ou em duas parcelas de R$350,00, em horários a serem combinados.
Pré-requisitos:
Ser desprovido de preconceitos quanto a gêneros literários.

Maiores informações inbox ou pelo email jaguadarte@hotmail.com.
************
Sobre a atuação de Ricardo Aleixo como profissional da literatura:
É poeta, escritor, ensaísta, editor e ministrante de cursos e oficinas. Publicou os livros "Mundo palavreado" (2013), "Modelos vivos" (2010 – finalista dos prêmios Portugal Telecom e Jabuti 2011) "Festim" (1992), "A roda do mundo" (em parceria com Edimilson de Almeida Pereira, 1996 e 2004 – incluído na lista de obras do vestibular de 2004 da UFMG), "Quem faz o quê?" (infantil, 1999), "Trívio" (2001 e 2002 – incluído na lista de obras do vestibular 2002 da UNI-BH), "Máquina zero" (2004), "A aranha Ariadne" (infantil, 2004) e a plaquete "Céu inteiro" (2008). Integra diversas antologias, coletâneas e edições especiais de publicações culturais dedicadas à poesia brasileira contemporânea na França, nos EUA, no País de Gales, na Argentina, no México, em Portugal, na Austrália, na Bélgica e na Holanda. Poemas e ensaios de sua autoria foram publicados em diversos jornais e revistas brasileiros, como "Inimigo rumor", "Medusa", "Oroboro", "Modo de usar & Co.", "Germina", "Cândido", "Suplemento Literário de Minas Gerais", cadernos “Mais!” da "Folha de S. Paulo", “Pensar”, do "Estado de Minas", e “Pensar”, do "Correio Brasiliense", Zunái, e "O Tempo", do qual foi articulista no período de 1996 a 2002. Já fez parte das comissões julgadores dos concursos literários Portugal Telecom, Jabuti, Cidade de Belo Horizonte, Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura, Programa Petrobras Cultural e outros. Tem, no prelo, seu primeiro livro de ensaios, "Palavras a olhos vendo – Escritos sobre escritas".
É um dos integrantes da representação brasileira no Salão do Livro de Paris, a se realizar no próximo mês de março.

11 de fev de 2015

Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil, disponível na FCP



O livro Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil (FCP, 2014), organizado por Cidinha da Silva, apresenta um diagnóstico da realidade sociocultural do setor do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (LLLB), pelas dimensões de raça e africanidades, a partir do pensamento de 48 mulheres e homens, predominantemente negros e jovens, considerando os desafios da encruzilhada do combate ao racismo e da formação do leitor-literário. Solicite seu exemplar gratuitamente pelo e-mail biblioteca@palmares.gov.br

9 de fev de 2015

Quando a execução sumária é legitimada como gol de placa no campeonato de extermínio da população negra, jovem e masculina

por Cidinha da Silva*

Doze meninos e homens negros executados pela polícia baiana com tiros na nuca. Havia marcas de tortura como braços quebrados e olhos afundados, mas poderia ser obra da polícia paulista, alagoana, carioca, pernambucana. São práticas disseminadas pelo país. O mais novo tinha quinze anos, o mais velho vinte e sete.

Uma chacina não é só mais uma chacina, não deveria ser. Chacina praticada pelo braço armado do Estado é a falência total da política de segurança pública e dos valores republicanos, violação de direitos humanos.

A novidade desta foi o discurso público do governador recém-eleito caracterizando-a como operação exitosa da polícia que mata preventivamente. Foi mais longe o chefe maior da polícia, em manhã inspirada pela crônica policial que banaliza e desrespeita a vida de pessoas que pagam impostos e o salário da polícia que mata - quando deveria protegê-las. O mandatário definiu a chacina como um gol dos policiais artilheiros, que decidem (matar) em segundos e mais acertam do que erram.

Testemunhas amedrontadas do Cabula, bairro do assassinato coletivo, por sua vez, disseram que os doze meninos e homens estavam desarmados, não houve confronto, eles foram rendidos e espancados antes de serem conduzidos a um campo de barro, cercado por matagal e lá, executados.

Como o governador é de partido de esquerda, houve gente declarando saudade dos tempos truculentos de ACM. Brincadeira de mau gosto tão cruel quanto a metáfora futebolística de Rui Costa.

O governador metido a cronista respondeu irônico à pergunta feita em entrevista coletiva sobre o possível susto que a violência da operação poderia causar aos turistas paulistas, habitués do carnaval baiano. Atacou a segurança pública do estado sudestino, dando a entender que turista paulista está acostumado com a violência, pois São Paulo apresenta recorde de roubos a caixas bancários. Como sabemos que a polícia executora alegou que os doze rapazes chacinados iriam praticar assalto a bancos, não seria leviano inferir do contexto que os baianos-negros foram mortos (preventivamente) para proteger os turistas-branco-paulistas. É público também que são os turistas brancos de São Paulo que inundam o carnaval baiano em busca do decantado exotismo da Bahia negra. O intertexto racista do discurso governamental é tão macabro quanto a aplicação de pena de morte aos jovens negros.

O secretário de Segurança Pública de São Paulo não deixou por menos e chamou o governador baiano de grosseiro e ignorante (a troca de farpas lembrou uma briga de fotonovela). Revelou que o índice de criminalidade da Bahia é quatro vezes pior do que o de São Paulo (aspecto da ignorância). Concluiu que as declarações do mandatário nordestino desrespeitavam o carinho que os paulistas têm pelos baianos e a importância que o turismo tem para a Bahia (aspecto da grosseria). Pronto! A supremacia geopolítica de São Paulo encerrou o papo. Até a tréplica, lógico, quando o coronel-moderninho das metáforas futebolísticas responderá ao coronel-robocop da metrópole que despreza nordestinos.

E os doze moços mortos, cadê? Sumiram no discurso volátil e popularesco dos assassinatos justificados pelo combate à criminalidade.

E as famílias das vítimas? Ninguém as escuta, ampara, indeniza. São vítimas do artilheiro-matador num jogo pavoroso, comprado, no qual o perdedor já está definido antes do cara ou coroa do juiz. Uma voz isolada tem nome, sobrenome e endereço, uma senhora, não um jovem irmão ou primo de vítima que pode ser a próxima vítima. A avó de Natanael de Jesus Costa (17) grita na porta do hospital que o neto fora levar pizza à casa da namorada, próximo ao campo de barro, palco da encenação do combate na noite do crime. O menino sumiu de casa e reapareceu na lista de corpos a serem reconhecidos no IML.

E o grosso da população dos bairros pobres e miseráveis o que faz? Repete como papagaio o discurso de legitimação da morte ouvido nos programas sensacionalistas da TV-caça-bandidos. Julgam que ao aliarem-se aos mais fortes, aos donos das armas, receberão proteção, pois são trabalhadores e os outros são bandidos. Que nada. Ninguém, ninguém é cidadão! E o gosto do sangue das vítimas só chegará à boca e aos olhos dos apoiadores das chacinas quando os tiros ceifarem a vida dos meninos criados por suas famílias e pela comunidade, aqueles que viram crescer e que buscavam pizzas para a namorada, ou foram vencidos pela dependência química, ou pela pressão ostensiva e de ostentação do tráfico. Sempre meninos queridos, que se transformarão em corpos estendidos no chão.

Nenhuma dessas doze mortes se justifica, seja qual for a ficha criminal de quem a tinha, e ainda menos atesta o sucesso de uma operação policial. Uma operação que resulta em doze mortos é arbitrária e ilegal. É catastrófica. O policiamento ostensivo deve preservar a vida e não eliminá-la escusada por tecnicalidades explicativas.

A sobrevivência de jovens negros está em jogo diante da construção racista do suspeito preferencial. Isso já é inadmissível, mais temerário ainda é que um governante venha a público legitimar a matança como gols de placa que eternizam policiais-artilheiros nos bairros populares e desprotegidos que não podem e não devem ser oficializados como estádios de futebol, nos quais se pratica tiro ao alvo negro e jovem, como quer o boleiro-governador.


* * * * * * *

 Foto: Morgana Damásio em manifestação de 2014 contra o genocídio da população negra, promovida pela corajosa e destemida campanha REAJA OU SERÁ MORT@!, na cidade do Salvador, Bahia.

4 de fev de 2015

Musashi e Spider

por Cidinha da Silva

Mais uma luta do Spider, o campeão volta ao tatame e os meninos ressentidos entram em ação. Às vezes penso que o Santo Antônio deles é um ídolo do esporte, tratado (e torturado) como familiar ambiguamente amado.

O Santo é amarrado, posto de cabeça para baixo, afogado em penicos, toda a sorte de malvadezas para que cumpra o dever de conseguir casamento para a dona da imagem.

Com os esportistas, no plano simbólico, é a mesma coisa. Ai do atleta que não corresponder aos instintos, às táticas (neste caso de luta) ou, simplesmente, aos desejos dos fãs. A resposta é tortura verbal certa. Uns poucos são sinceros, assumem que se tornam rancorosos com ídolos que os decepcionam.

É um perigo ser ídolo. Gente sempre se decepcionará com quem não atende suas individualistas expectativas. Dessa forma se sentiu decepcionado o poetamigo que se aproximou de mais um artista e concluiu: “quanto mais conheço artistas na intimidade, mais quero ficar perto dos meus amigos ‘peão de obra’.” E como ressoou sua declaração! Muita gente aplaudiu e concordou. Ainda bem que houve outro poeta, artista como eu, como o poetamigo, como os artistas que o frustram por quererem ser algo diferente do comum, que se opôs à voz unificada e argumentou que “tem-se uma ideia muito errada do artista, considerado quase um Deus, por muita gente. Eu, por exemplo, artista da palavra que sou, não faço a menor questão de agradar ou de ser simpático. Isso tem muito de subserviência (ao público, à imprensa, ao status quo). Quem quiser que leia minha literatura que não é feita para fazer amigos. É para inquietar e para o meu prazer, só isso. Sim! Sou apenas escritor.”

Corria frouxo o remi-remi de fã frustrado com ídolo que o desaponta até que alguém critica uma tática de luta do Spider que teria aberto a guarda, humilhando assim o adversário. O interlocutor discorda e menciona a luta entre Musashi e Seijuro, na qual o primeiro teria aberto a guarda para desestabilizar o segundo e quando este investiu confiante, aquele, já prevendo o golpe, o teria liquidado, como acontece tantas vezes também na Capoeira Angola.

A conversa então ficou interessante, onde é que Musashi lutou com Seijuro? No livro que li e que diante do solo arrasado da batalha de Sekigahara o narrador poetizava: “E depois de tudo, céu e terra aí estão, como se nada tivesse acontecido. A esta altura, a vida e as ações de um homem têm o peso de uma folha seca no meio da ventania...”, não foi. Mas também não pode haver dois Musashis, meu herói é único. Onde teria ocorrido esta batalha que não li?

Musashi é o romance épico que mais me arrebatou até ontem. Quando faltavam umas 100 páginas para terminar a leitura, eu que lia 20, 30 páginas por dia, passei a ler duas (achando que estava rápido demais). Para as últimas 10 páginas devo ter levado uns 10 dias e quando, finalmente, fechei o livro, não pude acreditar. Como? Otsu foi vencida pelo destino reservado às jovens virgens do período Keicho, foi arrastada pela velha Obaba para cuidar dela até a morte e assim Obaba matou meu sonho romântico de que Otsu vivesse a prometida história de amor com Musashi?

Finda a leitura, deixei o livro bem à vista (não consegui devolvê-lo à estante) e olhava para ele todo dia como se assim pudesse convencer Yoshikawa a enviar para a editora capítulos psicografados da história para que ela não terminasse, para que vivesse e me mantivesse acordada por mil e uma noites. Os deuses de Musashi ouviram minhas preces, organizaram em resposta uma nova luta do Spider e, graças ao burburinho em torno dela, descobri que existe o volume azul, onde acontece a batalha de Musashi e Seijuro.

Eu não assisto suas lutas Spider, não sou devota de você, nem de Santo Antônio, mas continuo admirando os sentimentos bons que você desperta na gente achatada que o enxerga como vingador altivo, leal e de bem com a vida. Admiro a família negra que você constituiu. E te devo mais essa, malungo. Musashi só voltou para mim porque devotos do UFC estavam malhando o Judas. Valeu, Spider! Boa sorte no tatame e fora dele.

* * * * * * *

escritora, Cidinha da Silva mantém a coluna semanal Dublê de Ogum.

3 de fev de 2015

Sobre o BBB que não assisto

1 - Ouvi dizer que a edição 2015 do BBB tem 4 participantes negros.
2 - Vi comentários e imagens dando conta de que dos 4, um homem negro vangloriou-se de ter matado um jovem numa ocupação do Exército a morro carioca.
3 - Hoje sou informada de que outro dos 4 vangloriou-se de ter batido numa mulher com quem teve um breve relacionamento.
4 - Sim! A Globo legitima discriminação e violência.
5 - Apenas não esqueçamos: trata-se de violência praticada por homens negros.
6 - Não sejamos ingênuas, é uma legitimação que tem endereço certo, ou seja, reforçar o estereótipo do homem negro violento e sem escrúpulos.
7 - Não é um reforço à qualquer violência, é àquela praticada por homens negros!